segunda, 04 de junho de 2018 - 15:06h - 287
Postos apresentam ao governo cenário de redução no preço do óleo diesel e lubrificantes
Cenário local apresentado pelo Sindpostos ao governo do Estado, nesta segunda-feira, 4, é de variação entre R$ 0,37 e R$ 0,41 no preço dos produtos.
Por: Eloisy Santos
Foto: Marcelo Loureiro / Secom
Reunião entre a equipe de governo e representantes do Sinpostos ocorreu no Palácio do Setentrião

Membros do Comitê Estadual, criado para minimizar os impactos da greve dos caminhoneiros no Amapá, reuniram-se nesta segunda-feira, 4, no Palácio do Setentrião, com representantes do Sindicato dos Postos de Combustíveis do Amapá (Sindpostos). No encontro, constatou-se que o cenário atual no Estado é de redução variando entre R$ 0,37 a R$ 0,41 o preço do óleo diesel e lubrificantes.

O Governo do Estado do Amapá (GEA) chamou o sindicato para a mesa de diálogo, visto que na tarde desta segunda-feira já se iniciaram as fiscalizações feitas pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) e Instituto de Defesa do Consumidor (Procon/AP), para garantir a redução no preço do óleo diesel e lubrificantes, determinada pelo governo federal.

Cenário local

Conforme explicou o presidente do Sindpostos, Valter Montes, a redução de valores teve início ainda no sábado, 2. Ele frisou que não houve, até o momento, registro de revendedores que adquiriram diesel e lubrificantes com redução de R$ 0,46 nas duas principais distribuidoras que atuam no Amapá. E que, portanto, não há, ainda, como reduzir os valores nessa proporção aos consumidores.

“A redução que a gente consegue praticar, hoje, nas bombas é de R$ 0,37 a R$ 0,41, mas se no decorrer da semana as distribuidoras reduzirem para R$ 0,46, com certeza repassaremos, integralmente, ao consumidor final”, garantiu Montes.

No Amapá, há 125 postos de combustíveis. Desses, 80% localizam-se em Macapá e Santana, segundo o sindicato.

Fiscalização

O diretor-presidente do Procon/AP, Eliton Franco, explicou que o Governo do Amapá, através do instituto e demais órgãos, acompanha a rede nacional criada para monitorar o cenário em todo o país.

Foi comprovado que a redução de R$ 0,46 imposta pelo governo federal possui inconsistências de cálculos, visto que o diesel possui um acréscimo de 10% de biodiesel na sua composição. Essa porcentagem de biodiesel não sofreu redução. Portanto a redução praticada está sendo de R$ 0,41 nas refinarias e distribuidoras. Logo, a redução a ser cobrada durante as fiscalizações será de R$ 0,41, no Amapá, acompanhando o entendimento da rede nacional que acompanha o assunto. 

Franco informou que, onde a fiscalização detectar redução inferior a R$ 0,41, o posto será considerado irregular e será notificado a comprovar, no prazo de 72h, que está praticando o valor equivalente à redução que obteve da distribuidora. “Uma vez comprovado, poderemos arquivar o processo administrativo caso tenha sido instaurado”, esclareceu o diretor-presidente do Procon/AP.

Durante a reunião no Palácio do Setentrião, os representantes do Sindpostos foram orientados a reunir com os demais empresários e repassar medidas preventivas, que podem ser adotadas por eles mediante à fiscalização. Como por exemplo, deixar separadas as notas fiscais de aquisição anterior e atual dos produtos para que, no momento da abordagem, os fiscais possam ter acesso aos documentos e checar as informações prestadas.

Outra orientação é que os empresários fixem faixas ou cartazes informando sobre o preço anterior e o preço atual praticado nas bombas, para conhecimento do público. Ao término das fiscalizações nos postos, o governo pretende convidar, para a mesa de diálogo, as distribuidoras de combustíveis que atuam no Amapá.

Gestão e diálogo

O chefe adjunto do Gabinete do Governador (Gabgov), Carlos Marques, foi quem conduziu a reunião com o Sindpostos nesta segunda-feira. Ele destacou que o diálogo entre o governo e todas as categorias envolvidas direta e indiretamente com a greve, no Amapá, têm sido uma ferramenta crucial para traçar soluções e não tomar decisões arbitrárias que possam prejudicar qualquer das partes. “O nosso compromisso é garantir o equilíbrio dessa relação, pensando no bem comum e na ordem”, reafirmou Marques.

A forma com que o Executivo está conduzindo o enfrentamento à greve e às suas consequências foi elogiada pelo empresário e representante do Sindpostos, Rodrigo Utizig. “O Governo do Amapá conduziu bem o alerta de possível desabastecimento de diesel e outras mercadorias no Amapá, que não ocorreu. E, agora, mais uma vez está fazendo uma boa administração porque, simplesmente, fazer cumprir a portaria, sem dialogar com as categorias, geraria injustiças. Estamos muito satisfeitos e comprometidos em repassar aos usuários, integralmente, as reduções que houver”, assegurou o empresário.

Medidas de compensação

Paralelamente aos trabalhos voltados às medidas do governo federal, o GEA também atua para reduzir o ICMS do óleo diesel e lubrificantes de 25% para 17%, medida do Estado que foi aprovada no Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

Agora, é necessário que o Amapá adote medidas de compensação. Nesse sentido, tramitam na Assembleia Legislativa (Alap), dois projetos de lei com essa finalidade. Um objetiva modernizar a legislação tributária no Estado como, por exemplo, a definição de mecanismos para regular tributações relacionadas a documentos fiscais eletrônicos. O segundo, o “Tesouro Verde”, propõe criar uma fonte de receita a partir de créditos florestais.

Os dois projetos serão debatidos nesta segunda-feira, em reunião na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Amapá (Fecomércio), e devem ser votados ainda esta semana na Alap.

Além disso, o Governo do Amapá encaminhará ao Legislativo um projeto que trata da taxação dos recursos hídricos, outra medida compensatória para melhorar as receitas do Estado com uma nova base de arrecadação.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2015 - Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá